As últimas sobre o portal mais ou menos de todos os tempos! E também sobre o mundo das séries CH.

30 December 2007

Já cairam os boatos da sua avózinha
Mais um boato cai por terra: Documentário da TV Azteca postado no YouTube mostra que a imagem do suposto túmulo de Ramón Valdéz que circulava até então no meio CH era falsa. Nessa imagem estava escrito Ramón "Raymond" Valdéz, e no túmulo real está Ramón Gómez Valdéz y Castillo - claro, seu nome de batismo, e que curiosamente, é citado por ele no episódio do Cleptomaníaco.
Aliás, que coisa, enfim essas imagens apareceram. Foi praticamente por causa dessas imagens que, anos atrás, um conceituado vendedor de episódios CH foi vítima de um acidente, que rendeu muito pano pra manga, e acabou sobrando até para mim...

24 December 2007

Aqui, o nosso cartão de Natal, atendendo a pedidos feitos em pleno Chiuaua:



Feliz Natal pra todos, feliznataaaaalll!!

20 December 2007

São Paulo: Mercado imobiliário está no cio, de chico e naqueles dias
Há mais ou menos 1 ano, a Folha de São Paulo transborda de anúncios de prédios. É prédio até dizer chega. Sei lá daonde vão tirar água, gas, energia elétrica e combustível pra tanta gente.
Frequentemente você sente que eles incomodam, quando as três últimas páginas são de anúncios do mercado imobiliário, não de notícias. E que notícias poderiam ser...
... mas voltando à realidade real, os anúncios do mercado imobiliário agora também estão invadindo a TV. E não há Marabraz ou Casas Bahia capaz de deter essa invasão - que conta desde os primeiros comerciais com "atores globais" (aqueles, que ao contrário dos "atores recordais" podem estar em todas as emissoras...).
O pior é que todos os prédios são o que se chamava há 15 anos de "prédios de luxo": não há um sequer sem uma piscina ou quadra de esportes. Se você achar um sem um dos dois construído de 1992 pra frente, é um fenômeno: eu mesmo moro há 11 anos em um prédio saphra 1991 que tem uma piscina, na qual eu nunca estive! E talvez nunca pudesse estar, acho que eu seria reprovado no exame médico do Wet'n'Wild... Bem, são tantos já assim, que já há quem queira ir além, como se estivéssemos na Bélgica: misteriosos anúncios na contracapa da Revista da Folha mostravam uma porta com os mais avançados sistemas de segurança - a porta tinha sua própria campainha, que era chamada de ringtone! O anúncio, inclusive, era da W/Brasil! Ah, quem me dera se fosse uma porta. Na realidade, o comercial se refere a 5 prédios de alto padrão construídos em vários locais da cidade - o Max Haus - nos quais a planta é totalmente definida via Internet pelos proprietários.

Perto da minha casa, podem se ver ao horizonte, olhando para todas as direções, 5 prédios sendo construídos. Três deles eu peguei raiva, porquê eles taparam a vista mais bonita que eu tinha daqui, agora eu vou ter que ficar sonhando em morar em Manhattan.
E pelo visto, o caso Encol - que curiosamente, construiu o prédio onde moro - faz parte do passado. Todas as empresas que "semeiam" prédios à granel pela cidade não dão o menor sinal de abalos em sua saúde financeira. Quem dera se outros meios, como emissoras de televisão não-globais e distribuidoras de vídeo fossem assim.
Com tudo isso, não admira que 3 horas da tarde - horário no qual, supostamente, todos já foram para o trabalho - já seja horário de congestionamentos na cidade. Uma "cidade limpa" por fora, mas por dentro, um pão bolorento.

10 December 2007

E quando eu já ia postando assuntos aleatórios por aqui, eis que do nada surge mais um assunto: o desenho animado do Chaves acaba de sair do ar quando este mostrava... episódios inéditos.

Portanto, minha amiga dona-de-casa, larga de comprar essa tal de Telesena e esse diacho desse Baú. Assim sobra mais dinheiro pra condução e pra feira!
Uma campanha de irresponsabilidade social da Rede Recó... digo, Rede Igor C. Barros.

07 December 2007

Este post vai em homenagem ao Blogger, que deu pra colocar todos os menus em inglês, quando eles estavam em português, e a um mega de um DVD que o outro computador está queimando há algumas horas e que me deixou com um pequeno tiempo libre. Brindá-los-emos (e às demais tribos urbanas, também) com a opinião e a análise de um poema pós-moderno que está dando o que falar em outras plagas, mas somente nós (© Djalma Jorge Show) tivemo as idéia de escrevrê as letra-lhes e botarse-lhes nas Internééé!! Conphira a letra antes que ela caia no vestibular da Furvest!!

CHINELA
Ademir do Arari

Entrei numa griffe
quando eu vi uma chinela

* Griffe? Com certeza, não se trata da Daslu, mas vamos em frente. Musicalmente o começo é soberbo, em tempo 'rubato'.

Chinela tão linda, chinela querida

Sei que vai fazer parte da minha vida

* Seria porventura cravejada de diamantes? Ou ostentaria ela a logomarca de seu time de coracção?!... Possívelmente isto a faria ser, além de desejada, também querida.

Fiquei admirado, fiquei pobre-coitado
a olhar a chinela

*Pobre-coitado com hífen? É talvez o único jeito de fazer com que a frase tenha sentido. Ao que tudo indica, esse neologismo significa "indivíduo desprovido de bens materiais e pessoais além de desprestigiado enquanto cidadão", o que descreve 197,4% do povo brasileiro.
Chinela querida, sei que vai ...
vais
fazer parte da minha vêda
* Surpreendentemente o intérprete se corrige e passa a usar a segunda pessoa do plural, como se costuma fazer mais ao norte deste país. E em Portugal! (Só pra rimar...) A chinela é tão importante, que não faz parte somente de sua vida, mas de sua Veda - que são os quatro livros-base do Hinduísmo!! Mostrando a que ponto chega sua necessidade por pisantes não-invocados.

Chinela querida
Sei que isso (??) faz parte da griffe

* Aqui, um instante de hermetismo, mas o que fica no ar é que a chinela faz parte, é propriedade, de uma griffe, e que teóricamente devido a isso, não deveria calçar o interlocutor.
Fiquei emocionado, fiquei preocupado
se eu não poder usar esta chinela

Fiquei emocionado, pouco preocupado

se eu não puder usar esta chinela

* O cantor, aqui, revela sua enorme carência, possívelmente devido, quiçá, à sucessivos insucessos em relação ao sexo opuesto. Uma simples chinela já é suficiente para deixá-lo emocionado, mas, incrívelmente, ao contrário do que imaginaríamos, já é motivo de preocupação!

Linda chinela, chiné... *errou a entrada
Chinela tão linda, chinela querida
Sei que vai fazer
paste,
vai fazer
paste da minha vida.
* Não, não é o ato de apertar as teclas Ctrl+V. A pronúncia é [paſ'tı], como oxítona. Trata-se de uma 'flapping rule' seguida pelo intérprete.

Entrei numa griffe/ E olhei uma chinela
Chinela tão linda,

Sei que vai fazer parte... ah... da minha vida

Chinela tão linda
Eu... a olhei

* Mais uma vez uma excelente utilização da norma culta: o compositor prefere perder a rima ("chinela" rima com "eu olhei pra ela") do que desrespeitar a gramáctica, parabéns, meu jovem!
Fiquei preocupado, fiquei emocionado
se a chinela eu não podê-la usar

* Observem! Quem, neste país, se lembra de usar a ênclise ("podê-la") numa hora dessas?!...

Sei[s] que é uma chinela
Chinela querida, linda, eu vou usar.

* Belíssima rima, e que é uma chinela, todos já, de certa forma, nutriam essa impressão. Note o s adicional após o verbo "Sei", que denota, de forma simbólica, tratar-se de um par de chinelas.


O pior de tudo é que ao contrário de mim, que suê vocalista da Banda Salt Cover (da qual surgiu a 'emissora'), e do meu colega Gleydson, do KNT, Ademir do Arari seria o que podemos chamar de um "artista de verdade", ou um artista segundo os conceitos de Elton John.
Até patrocínio ele diz ter, na faixa Forrózinho, daonde sai o surpreendente verso "Forrozinho à noite inteira só é bem melhor quando tem a mulherada" - ou seja, segundo ele, dá pra levar um forró dançando composto apenas por integrantes do sexo masculino. Vai entender...
Não resta dúvida, Ademir do Arari, é gente que phaz.

01 December 2007

"Olha lá, o Senhor Barriga!"

- Cassiano Ricardo ao notar Igor C. Barros na platéia

Pois é, Brasil, estive em mais um evento CH, embora um pouco menos devido ao cansaço e ao calor. Não sei bem o que aconteceu, mas realmente no outro sábado eu estava mais "pra cima", sem falar que aqui em casa me pediram encarecidamente em três vias registradas em cartório na Vara Cível de Marmelo para que eu voltasse enquanto ainda estivesse dia (e depois reclamam da mãe do Filipe Chambom do FUCH, eu talvez tenha idade pra ser pai dele...) Mas vamos aos destaques de mais um evento CH.

EU VOU PARA ACAPULCO TOMAR BANHO DE SUOR
O restaurante era o Chiuaua, mas parecia outro lugar do México hoje: Acapulco, na descrição de Chaves: muita gente, praia e sol, com exceção da praia. E que sol, minha gente. E que gente, meu sol. (Fiquei com vontade de ter ido na Convenção Jovem Ainda, onde ao menos tinha ar condicionado...) No horário em que cheguei, acho que haviam mais de 60 pessoas, muito mais do que no outro dia, inclusive no andar superior, que no outro sábado ficou às moscas (calma, nenhuma delas parou pra tomar um cafezinho...) Muitas delas, inclusive, aparentavam não ter nada a ver com o meio CH, eram frequentadores do local, mesmo, vindo com os filhos, inclusive, muito bacana. Aliás, me chamou a atenção uma pessoa que aparentava mais de 40 anos e estava de "anteninhas", fez pergunta pros dubladores e tudo! Me senti motivado, depois dessa...

CHURROS CHURROS, OLHA OS CHURROS
A equipe do Fã-Clube foi reforçada por um Seu Madruga II, que inclusive vestiu o uniforme de vendedor de churros! Não contive o riso ao ver o avental idêntico ao do episódio que eles fizeram, escrito "Churros Doña Florinda", ficou demais aquilo, até aquele 'pompom das paquitas com sérias restrições orçamentárias' ele tinha. Pena que de novo a verba foi insuphiciente para eu conhecer os churros do Chiuaua.
Mais uma vez a galera do FC tirou fotos com alguns frequentadores do local. E parece que as vendas, desta vez foram buenas, inclusive da rifa do Nhonho da Abekas. Eu me senti meio extraterrestre, porquê eu não me interesso em colecionar objetos CH (o meu quarto já está suficientemente atulhado com as coisas que eu mesmo crio no papel, cassetes, CDs e VHS...), enquanto que teve gente comprando 10 números da rifa! (PS: Não sei por quê, mas achei o Nhonho da Abekas a cara do Jaime Palillo da New Kids...) Bem, para quem conseguiu, parabienes. Ah, mais uma equipe da imprensa esteve no local, desta vez, da AllTV. E a AllTV tá bem, hein? Eles usaram uma câmera de alta definição, dois modelos acima da que eu uso no serviço, e que eu já falei aqui, tem o preço de um carro!

Curiosamente, esteve brevemente no local alguém que eu reconheci, de fora do meio CH: uma pessoa muitíssimo parecida com "Alan, o Produtor", do Pânico na TV... sei lá se era ele mesmo! Não sei, mas me marcou a fisionomia dele, porquê quando ele aparecia no vídeo, o Vinícius "Gluglu" disparava um "Você não vai com a minha cara?..."

Durante o evento eles tiveram a idéia de fazer provas que remetem ao universo CH, como equilibrar vassoura no pé e jogar bilboquê de lata (eles fizeram dois, idênticos ao da série. Puts, aliás, parabéns pro pessoal do FC que fez essa parte, estou vendo que o próximo FBV vai ser muito melhor com esses itens a mais que vocês estão providenciando.) Não peguei a prova do bilboquê, saí antes, mas o vencedor da primeira equilibrou uns 21 segundos, o Gustavo Alves (sacanagem com o cara, chamei ele de um pseudônimo que ele não usa mais, desculpa aí, Gustavo!) do FUCH - fórum que phinalmente marcou presença um pouco mais pesada, tá certo que eu lo soy un poco, mas não posso representar à todos... :).
Este ganhou um Chavão da Acalanto, aquele que você puxa a cordinha e ele diz: "Os jovens de hoje serão os velhos de amanhã" (zoei!) Mas segundo ele mesmo, um monte de gente no metrô ficou olhando pra ele e para aquele boneco do Chaves de meio metro...

DUBLADORES RELEASING THE VERBS

Depois de uma longa espera, começa a entrevista com os dubladores da vez: Nelson Machado, Cecília Lemes e Cassiano Ricardo, além do sr. Nicola, dono do estúdio Ecos (não sei como se escreve), onde foi dublado o "Clube do Chaves". (Falta eu saber mais dados, pra corrigir a tabela dos dubladores CH no site, ãhn?)
E ficamos sabendo de algumas coisas que poucos sabiam: Clube do Chaves tinha um título provisório de "As novas aventuras do Chaves". Topo Gigio (que já foi dublado por CR) tinha uns 5 bonecos idênticos, não era o mesmo em todas as cenas... Quem diria, hein?

Os três tem histórias curiosas que os cercam. Nelson Machado e Carlos Villagrán nasceram com dois dias de diferença [EDIT: eles tem o mesmo signo, para aqueles que acreditam, Nersão é mais nuevo que Carlos]. Cecília Lemes e Maria Antonieta de las Nieves começaram a dublar aos 9 anos de idade. E Cassiano Ricardo passou pela TV Cultura, na qual passaram também Marcelo Gastaldi (nos anos 60) e Tatá Guarnieri (nos anos 80/90) - ou seja, será que depois de Tatá virá Fernando "Garibaldo" Gomes?....

Os bordões não foram tão ditos assim pelos dubladores, mas ao menos foi legal relembrar os bordões do Cassiano Ricardo, que precisou ver alguns DVDs na hora para se lembrar como eram as vozes - inclusive do "locutor", que também era ele. "Divirta-se agora com mais uma consulta do Dr. Chapatin!" - é claro que esse texto é criação da dublagem brasileira, isso nunca houve no programa Chespirito original, mas não ficou ruim não... [pretexto para aumentar o número de comentários detected]
A galera rachou o bico principalmente com o Dr. Chapatin (sobrou até uma 'bonecona' para o quarto integrante da mesa, o dono do estúdio Ecos). Cassiano disse que em personagens que Gastaldi não dublou (Chaparrón, Dom Caveira) ou fez menos (Dr. Chapatin, Chómpiras) ele foi mais livre, mas em Chaves e Chapolin ele foi mais pelo Gastardi. Eu falei bordões, mas Cassiano improvisou bem pra caramba, e aliás, as vozes são realmente bem diferentes de sua habitual, não tinha notado isso. Ah, ele também foi o Topo Gigio, claro... ele recebeu esse papel porquê Ricardo Marzullo, o dublador original, não estava querendo vir ao Brasil por motivos aleatórios - Marzullo é italiano e, desde os anos 60, é a voz "ophisial" do personagem em vários idiomas, alguns deles sem entendê-los, como japonês!! Então espanhol, como no quadro onde ele contracena com o Dr. Chapatin, é moleza.

Cecília Lemes deu alguns detalhes de su career que eu desconhecia. Assim como Mário Lúcio e Marcelo Gastaldi, ela também trabalhou na TV Paulista (a cada dia que eu descubro coisas desse canal, penso que ele deveria ter sido muito bom...) e ela fez parte de um programa infantil, "Zás Trás", onde ela foi uma espécie de paquita (ou de "Brendette", enfim), e foi no começo dos anos 70 que aconteceu o episódio onde ela fez parte de um filme sem som direto e acabou dublando a si pruépria, depois de alguma insistência à la Chiquinha... e desde 1978 ela se dedica écscrusivamente à dublagem. You should be dubbing, yeah.

Nersão botou a galera abaixo com algumas frases levantadas na hora - embora elas saíram diferente do original, mas, que importa, coma torta! Como por exemplo: "O que eu quero é ser o Luís Pereiraaaaaaa!!!"
Eu só acho que faltou uma coisa, e que não pode faltar no próximo evento, seja onde for: pedir pro Nelson fazer as vozes dos outros personagens do Carlos Villagrán, como o Chinesinho ou o Carlitos "Fredegundo", para mim, tão bons quanto o Quico e que sempre passam despercebidos. Dá pra ficar sério naquela cena onde Carlitos toca maracas e canta: "Meu amooor... Você é minha vida... wa wa wa wa... Perdããão, não quis te ferir, querida..."? Pra muita gente esse é um dos momentos mais engraçados da série.

Mas a discussão mais interessante, curiosamente, viria de uma meia-reclamação a respeito de dublagens mal feitas. Cassiano Ricardo diz já ter visto, em um filme, uma criança de colo que tinha uma fala: "Foi terrível, mamãe"... Tipo assim, ?! "Isso é um anão!", disse ele (talvez seja a filha do Thavakala...) Fora outra cena, a de um homem que conhecia o bandido que fazia sua filha refém sob a mira de uma arma, que se chamava Matt. Aí o homem diz: "Matt, minha filha!" só que com MATT aportuguesado (leia a frase em voz alta desse jeito). Essas coisas realmente deveriam estar no YouTube, como já estão as "Pérolas da Dobragem [dublagem] portuguesa", curiosamente levantadas pelos próprios portugueses, alguns acham - assim como certos brasileiros - que as adaptações deles vão longe demais... procure por "dobragem portuguesa" antes que seja tarde.
Cecília Lemes explica: a boa dublagem começa na tradução... e ela já pegou algumas pedreiras, como dublagens que pulavam algumas falas que ela deveria dizer!!! Além disso, há filmes nos quais os dubladores não sabem o que estão dublando, passam a cena uma ou duas vezes e saem gravando, sem dó nem piedade. E deixa a vida lhes levar, vida leva eles. Em São Paulo são cerca de 20 estúdios, localizados em tudo quanto é lugar da cidade (tem até estúdio perto do Chiuaua, a Centauro é na Alameda Santos), e muitas vezes os dubladores precisam ir em vários estúdios em um dia só, tal como já me disse o dublador Silas Borges (aliás, cadê usted, rapeize?), enfim, é uma correria desgraçated.

E chego a uma conclusão... como as séries CH são queridas hoje em dia. Antes era só Chaves, mas muita gente começa a curtir inclusive Chespirito da CNT e Clube do Chaves. Muitos dos fãs de cultura popular japonesa (anime/manga/tokusatsu) também curtem as séries CH. Sei não se já já seremos páreo, numéricamente falando, para convenções de fãs de Star Trek! Te cuida, capitão Kirk! Pede pra sair!! [piada fora de moda detected]

A PARTIDA (NÃO A DE "OS IGUAIS", DESTA VEZ, PARA CASA)
Cansado, com calor e com uma dor estranha no meu tornozelo, que surgiu ontem, querendo voltar, eu phui embora mais cedo do que eu mesmo gostaria (sacanarre da minha parte, não vi o Charrito dublado pela Maga.) Até pensei durante o caminho se eu estaria virando um Mário Vilella cover, já que o Cassiano me chamou de Sr. Barriga, e em 2003, funcionários da AllTV acharam que eu era o dublador desse personagem, e agora estou exausto como ele estava em suas últimas dublagens, no Studio Gabia... Exausto por causa do trabalho, pesadíssimo, principalmente no final de ano e nos finais de semana.
Participei, porém, parti. Não sem antes ser surpreendido por alguém, entre os fãs, que cantarolava: "Com quantas letras se escreve Natal?... Com quantas letras se escreve Natal?..."
Poots, pra mim foi uma honra que cantassem uma canción ausente das séries CH. Quem sabe no próximo a galera esteja cantando Viva o Rex, Zicky Zira é Animal, Eu e você(Currupaco) dos Nampsons e outros grêitest ríts...

Valeu a todos que participaram, inclusive os de fora do nosso meio, que vieram com os filhos e tudo o mais! Eventos CH é a gente que faz, o resto o FC corre atrás! Até o próximo (mas ainda sonho em degustar pítsas por aí, como faz a divisão fluminense do Fã-Clube. E até o segundo FBV!!

Obrigado a você que "foi ao Chiuaua com o Polegar Vermelho"!

27 November 2007

De novo again outra vez:
Lista de "piores músicas" da revista Blender
também phaz pouco da nossa seleção musical

Mas o motivo que faz "We Built this City" estar em primeiro é que a música, que fala sobre a cidade de San Francisco, foi escrita por um... inglês. Por motivo semelhante, "Smooth Operator", de Sade, foi desqualiphicada em outra seleção canarinho. Não conheço la canción, mas para você que tem mais de 30 anos e acha que o White Stripes deveria ter um baixista, taí uma dica.
Vamos à lista, som na caixa, Maestro Billy...

1. We Built This City, Starship
2. Achy Breaky Heart Billy Ray Cyrus
3. Everybody Have Fun Tonight, Wang Chung
4. Rollin, Limp Bizkit
5. Ice Ice Baby, Vanilla Ice *Mas em 1991 era sucesso, só perdia para "Pense em Mim"!...
6. The Heart Of Rock & Roll Huey Lewis and The News
7. Don't Worry Be Happy, Bobby McFerrin *Bem, essa muita gente não gosta mesmo...
8. Party All the Time, Eddie Murphy * esse não é exatamente cantor, então, tá valendo
9. American Life, Madonna
10. Ebony and Ivory, Paul McCartney e Stevie Wonder *Um hino contra o racismo! Se bem que essa eu ainda não ouvi de novo, nos dias atuais...
11. Invisible, Clay Aiken
12. Kokomo, The Beach Boys *Ironicamente, o nome da revista é Blender (liquidificador), e um grande fã dos Beach Boys é Tom Dickson, apresentador da série "Will it Blend?", da Blendtec... ele mesmo já fez alguns episódios dedicados ao conjunto... será que ele põe esta lista no liquidificador?...
13. Illegal Alien, Genesis
14. From a Distance, Bette Midler
15. I'll Be There For You, The Rembrandts *só quero ver o que os fãs de Friends acham, são em maior número e mais influentes que os fãs de RBD
16. What's Up?, 4 Non Blondes * Certo dia, em 1996, eu precisei ir em quatro agências bancárias, essa música tocou em todas elas !!
17. Pumps and a Bump, Hammer
18. You're the Inspiration, Chicago *Ê Chicago, só tomando lapadas da vida. Mas um dia vocês serão reconhecidos...
19. Broken Wings, Mr. Mister
20. Dancing On The Ceiling, Lionel Richie *essa estava na minha lista... mas continua, ainda. Ah, no videoclipe, Lionel Richie dança no teto mesmo, feito um Michael Jackson!...
21. Two Princes, Spin Doctors *Pootz, se UM já é um porre, que dirá dois! Tá legal, sacaeneei um cara que não está nesta lista, mas ele faz por merecer...
22. Courtesy of the Red, White and Blue, Toby Keith
23. Sunglasses At Night, Corey Hart
24. Superman, Five fot Fighting
25. I'll Be Missing You, Puff Daddy
26. The End, The Doors
27. The Final Countdown, Europe *Passei a adolescência inteira querendo ter essa música, mesmo não curtindo muito esse gênero, e só consegui quando uma extinta FM, a Nova, que tinha um programa de flashback diário com duas horas de duração, tocou essa...
28. Your Body is a Wonderland, John Mayer
29. Breakfast At Tiffany's, Deep Blue Something
30. Greatest Love Of All, Whitney Houston *É assim, quando eu finalmente descubro o título da música, lá vem eles...
31. Mmm Mmm Mmm Mmm, Crash Test Dummies *essa passou raspando, ouço a paródia dessa música feita por Weird Al Yankovic
32. Will 2K, Will Smith
33. Barbie Girl, Aqua
34. Longer, Dan Fogelberg
35. Shiny Happy People, R.E.M. *pootz, só marcou a minha adolescência essa.
36. Make Em Say Uhh!, Master P
37. Rico Suave, Gerardo
38. Cotton Eye Joe, Rednex
39. She Bangs, Ricky Martin * Ah, qual é? É uma das 4 músicas de depois de 2001 que eu curto, ainda mais na voz de William Hung!
40. I Wanna Sex You Up, Color Me Badd
41. We Didn't Start the Fire, Billy Joel * era um dos quatro ou três videoclipes que eram exibidos no começo da TV Jovem Pan em 1990...
42. The Sounds of Silence, Simon & Garfunkel * Tá certo, essa merecia uma versão um pouquinho mais 'pra cima'...
43. Follow Me, Uncle Kracker
44. I'd Do Anything for Love, Meat Loaf * fui 'obrigado' a ter essa, estava em um CD que eu comprei, não gostei da música, embora seu produtor seja Jim Steinman
45. Mesmerize, Ja Rule
46. Hangin' Tough, New Kids On The Block
47. The Only Thing That Looks Good on Me Is You, Bryan Adams *O título da música é o contrário daquela cantada infame: "Sabe o que ficaria bem em você? Eu!"
48. Ob-La-Di, Ob-La-Da, The Beatles *Nunca ouvi, mas "ouço falar" muito dessa música...
49. I'm Too Sexy, Right Said Fred *Acreditem, essa eu também já curti. Depois que eu fiquei conhecendo mais sobre o RSF, fiquei meio com vergonha, tipo o Dengoso interpretado por Carlos Villagrán.
50. My Heart Will Go On, Celine Dion *Agora sim, concordo! Sou mais a versão do Ray Conniff para essa música...


Fonte: Trebuchet MS... digo, Terra.

E no post abaixo, veja algo muito melhor do que isto, o revíu do primeiro sábado do Vamos ao Chiuaua com o Polegar Vermelho? As músicas que o meu povo gosta, beleza Brasil!

24 November 2007

EVENTO:
IT'S WIND! Digo...
Eu fui, Brasil. Não é fácil me arranc... digo, tirar de casa. Mas eu estive no Chiuaua. E aqui vai um arremedo de review del eviento. Com os seguintes destaques, abre-alas e comissão de frente:
#------------------------------------------------------------------------------------
O "Polegar Vermelho em pessoa", "Chaves", "Seu Madruga" e o "Professor Girafales" estavam lá e até tiraram fotos com alguns visitantes. Craro, eram alguns dos organizadores do FC. Aliás, cheguei praticamente junto com eles ao restorã. (Que aliás, é bão e merece a sua visitinha qualquer dia desses.) Embora um deles tenha me surpreendido, o "Madruga" tocava violão e sabia usar nunchaku (aquela arma do Michelangelo, das Tartarugas Ninja.) Mas o melhor mesmo era sua imitação de Carlitos "Fredegundo"...
#------------------------------------------------------------------------------------
Pela primeira vez em quaisquer tipos de eventos, Sandra Marah, Mário Lúcio e... hã?! Marta Volpiani?! É isso mesmo, Brasil. O pior é que os três eu reconheci de cara, e não apenas quando começaram a falar... E quer saber? Myths busted!! Tanto é que é muito provável que eles estejam no próximo evento CH aos moldes tradicionais. UHÚ! Nós somos "ferizes"!!...
Sandra e Marta agradeceram aos fãs o carinho e a valorização do trabalho deles - aliás, Marta afirma que a valorização da dublagem começou entre os fãs CH!... Será?! Essa eu não sabia! Eu sempre achei que começou com isso foram os fãs de Guilherme Briggs, houve uma época em que ele "se jogou" na Internet (até fórum ele tinha), e ao perceber que eu estava nela, "sumiu". Droga, um a menos para desenhar os meus personagens, mas vamos em frente.
[EDIT: Segundo Mário Lúcio, isso também começou com a dublagem de Cavaleiros do Zodíaco na Gota Mágica, em 1994, que abria as portas para entrevistas de jornalistas e fãs!]
#------------------------------------------------------------------------------------
Os fãs surpreenderam Mário Lúcio, cantando em coro algumas cancciones, como Seu Madruga, Chiquinha e... A Partida, música do grupo Os Iguais, do qual Mário e Marcelo Gastaldi fizeram parte, por essa, ninguém esperava mesmo.
#------------------------------------------------------------------------------------
Recomendo um certo cuidado ao comer os burritos e tacos - na verdade, as panquecas da Dona Clotilde e as do antigo dono do restaurante da Dona Florinda são tacos. É bom, mas aquilo em determinado momento, se abriu como uma flor nas minhas mãos... deve ser a falta de prática, claro, yo soy brasileño, como nô? Não é legal comer de pé aquilo, portanto.
Em compensação, gostei dos nachos (aquele negócio que parece o salgadinho Doritos). Comi com molho salsa, bem apimentado - não costumo comer pimenta mas de jeito maneira... [Dando uma de Paulo Henrique Amorim, podemos dizer que há três coisas que estão afastadas da minha vida: pimenta, porta-retrato e montanha russa. A menos que eu me case com uma mulher que as curta, ou nem isso...] E o mais incrível é que... me fez bem!! Eu estava com as costas coçando pra caramba por ter usado em casa um sabonete ao qual eu sou alérgico, e as coceiras acabaram! Eita pimentinha danada de boa, sô. (desta vez o fruto da pimenteira, não a personagem dublada por Sandra Marah em Snoopy...)
#------------------------------------------------------------------------------------
A produção do evento foi dez. Pelas paredes, reproduções de obras de arte que marcaram a série, como o Topo Gigio de Bigodes, o retrato de Lorenzo de Médicis, o quadro do banqueiro que levou um tiro, o retrato falado do Tripa Seca... Em uma das salas, Seu Madruga esmagado no chão, e a participação muito especial dos churros e dos sanduíches de presunto do quarto do Nightmare...
#------------------------------------------------------------------------------------
O evento foi palco de algumas revelações (se bem que hoje em dia, com as fotos digitais, ninguém mais sabe o que é isso, tô ficando velho, rapeize...). Feroz & Maumau (seriado idealizado pelo dublador de chaves, Marcelo Gastaldi, cujo piloto foi descoberto recentemente pelos fãs) foi dublado (essa eu já desconfiava) porquê o som direto ficou horrível. E a série chegou a ser aprovada pelo SBT! Só que só não foi pra frente, porquê a emissora estava totalmente falida (era antes da era Tele-Sena).
#------------------------------------------------------------------------------------
Eu já disse no site que os vendedores estrangeiros de episódios tem um vasto território a ser explorado no Brasil. Mas pensando melhor, a escala disso é bem menor: os vendedores de episódios brasileiros tem um vasto território a ser explorado... em mim! Mais pra noite, foram exibidos alguns episódios legendados, totalmente inéditos para mim, e incusive, conheci um pouco mais sobre o filme El Chanfle, que segundo o pessoal que assistiu, não é porquê é do Chespirito, mas o filme seria ótimo - até mesmo o pai de um deles, que não curtia CH, gostou do filme. Não dava tempo pra passar o filme inteiro, mas eles fizeram questão de exibir a música Nacer, cantada por Julie Andrews, digo, Florinda Meza. É no mesmo nível, talvez até melhor, musicalmente falando... Ah, El Chanfle [no caso, o personagem no filme, não eventuais usuários de fóruns com esse pseudônimo] tem algo em comum com o Chaves: é um cara que ninguém sabe o nome e todos chamam pelo apelido.
#------------------------------------------------------------------------------------
E atenção, esta acaba de chegar. Matéria no SBT Brasil gravada hoje acaba de ser écsibida e gravada por mim. Por mim e pela torcida do Corinthians, já já deve estar no YouTube.
E o que eu imaginava, aconteceu: embora entrevistado, Mário Lúcio foi 'limado' da matéria. Ele move um processo contra o SBT relativo à direitos conexos. De resto... esta pode se considerar a minha primeira aparição na TV aberta. Eu estou de casaco cinza, de costas, ao lado do Chapolin... E o SBT tá bem das pernas, hein? A matéria foi gravada no sistema XDCAM, em vez do sistema DVCAM, que o pessoal do meu serviço, pra adotar, vendeu o café da manhã, o almoço e a janta.
PS: O maior fã-clube do mundo? Foi o Berriel que escreveu o texto da reportagem, por acase?... Só quero ver o que vão dizer lá no FUCH, ré ré...
#------------------------------------------------------------------------------------
Ah, quer saber? Vou lá de novo!... Sábado que vem, dia 1/12, parece que teremos por lá Nelson Axe and Cecília Helms. A bagunça continua, companheiros. Chaves and Chapolin exists!!
E aí, o que acharam do review ou do evento? Comentem! "Eu acho...." E você, fale-se!

ANTES DO EVENTO
Chiuaua, let's all be there

Pela segunda vez, vou a um encontro de fãs CH em São Paulo. A primeira vez foi em 2006, por iniciativa própria do FUCH, foi na casa de um de seus membros que, infelizmente, me escapa o nome.
Desta vez, é um evento do Fã-Clube Chespirito Brasil e seguindo os moldes cariocas, de ser em um local alimentício. Já houveram dois ou três encontros em uma pizzaria, no Rio de Janeiro, e agora, aqui em São Paulo, em um fast food diferenciado, o Chiuaua.

Para hoje, aparentemente estarão duas pessoas que nunca estiveram em qualquer tipo de evento, Sandra Marah (primeira dubladora da Chiquinha) e Mário Lúcio de Freitas, produtor musical, colega de banda do Marcelo Gastaldi e ex-dono dos estúdios Marshmallow, onde foram dublados os dois últimos lotes das séries CH (os que estrearam em 1988 e 1992) e se Dios quissêr, futuro produtor musical da Salt Cover, mas isso já é outra história...

A bem da verdade, os dois tem alguns mitos que, como diria Tatá Guarnieri, precisam ser detonados... E espero que eles o sejam hoje, para que eles sejam ainda mais bem vindos no próximo evento CH aos moldes tradicionais aqui em São Paulo, a ser realizado no primeiro semestre de 2008. Conphira um pouco da obra além das fronteiras CH de Mário Lúcio en su página no YouTube. E hoje a noite, amanhã ou segunda-feira, o review desse evento.

And where's Mr. Berry? Ele está no Rio de Janeiro, se preparando para o evento de amanhã, que terá Carlos Seidl, na Universidade Estácio de Sá (mais informações aqui.)

A propósito: o evento foi noticiado na Folha de São Paulo de hoje, no lugar onde costuma ser a coluna do Daniel Castro. Só quero ver quantas pessoas vão aparecer por lá... Espero que eu caiba no local!
E é muito pouco provável que você que lê isto ainda vá pra lá (o evento começa as 12h), mas uma coisa eu peço: ajude os caras com a sua granidja. O Fã-Clube Chespirito Brasil estará vendendo seus apetrechos além de uma rifa de um objeto de colecionador para levantar phundos para o próximo FBV São Paulo. Eu estou um tanto durango kid, portanto, comprem a valer!!!

Caramba, esse era "O" evento para fazer live blogging. Pena que o único notebook da família é usado e abusado todos os dias e sua bateria não dure nem 20 minutos (obrigado, Compaq!) e eu duvido que o Chiuaua tenha Wi-Fi, seja de graça ou pago. Mas, já dizia Michael Jackson, I'll be there! Fuy!

PS: Fui eu mesmo que postei no FUCH, não é fake não! Tentei acessar a minha antiga conta, mas parece que ela já havia expirado.

21 November 2007

Atenção, São Paulo, chegou a nossa vez de ter um encontro de fãs CH!

Vamos ao Chiuaua com o Polegar Vermelho?


Dias 27/11 e 01/12, a partir das 12h, no Chiuaua

Rua da Consolação, 2731 (esquina com Al. Jaú) Jardins, São Paulo-SP
próximo ao metrô Consolação (linha 2/verde) - Entrada franca

Pra você que acompanha a mailing list do FCCB e ficava com água na boca dos vários encontros de fãs realizados no Rio... a nossa vez chegou, e em grande estilo!
Além da comida Tex Mex do Chiuaua, confira episódios CH dos bãos e ainda, você pode adquirir lá mesmo os produtos do Fã-Clube Chespirito Brasil. Isso, mais algumas coisas que só indo pra conferir!
E atenção: é provável que você me encontre por lá... É mole? Não, é guacamole!

Mais informações aqui, no Site do Chaves. Arriba!!
Tinha que ser o Fã-Clube Chespirito Brasil!

15 November 2007

Parafraseando Dorival Caymmi, "eu não tenho onde sentar..."
Talvez esteja aí um problema que está afetando sériamente a minha produtividade. Infelizmente, devido to the reduced verb, no meu computador eu uso uma cadeira bem inadequada para essa atividade, deslocada da cozinha... A cadeira é de fibra de vidro, e de uma empresa líder de mercado, a Emplarel, cujo maior trunfo é ser a fornecedora de cadeiras do McDonald's. E está aí o problema. A menos que você seja um glutão de marca maior que está fazendo um teste "quanto eu posso comprar no Mac com 500 reais" ou precise esperar alguém lá dentro (duvido que eles deixem), você nunca precisará ficar lá dentro por 5, 6 horas, como eu preciso em atividades como a vetorização de certos desenhos e a podrução musical (se bem que depois que eu conheci a música "Boneca de Plástico" do DJ Garotinhu, comecei a valorizar as minhas... A phaixa é uma gentileza de Universo Pânico.)

Aí cês me perguntam: como é que você escreve tanto nos blogs e faz tão pouco em matéria de sites e vídeo? É que boa parte das postagens partem do meu çervisso, uma sala com ar condicionado e cadeiras de escritório, com rodinhas... como as que eu tinha em 1996, quando mudei para o lugar onde estou hoje. Só que naquela época eu não tinha computador, e Internet, muito menos.

E eu só queria saber como Jô Soares não tem esse problema. Segundo contou a jornalista Adriana Bak na AllTV, certa vez, quando ela ainda trabalhava em mídia impressa, ela precisou cobrir o lançamento de um livro de Jô Soares, que aconteceu na residência do mesmo, e ela enfrentou uma série de problemas com seu notebook, que não funcionava, e o horário de fechamento da matéria estava quase estourando. Os problemas se estenderam a ponto de Adriana continuar no local enquanto os outros jornalistas tinham ido embora, e em uma situação vexatória, sentada no chão, tentando usar o notebook com a fonte de alimentação ligada em uma tomada da casa do escritor. Jô, com toda a calma do mundo, levou Adriana para o local onde ele escreve seus textos, em um lugar confortabilíssimo e com um computador de primeira - e com uma (ahá) cadeira de escritório daquelas!! Daquelas que eu deveria ter por aqui, capisci? E foi de lá que Adriana mandou o texto para o jornal, via E-Mail. Antes disso, Jô ligou para o chefe dela no telefone falando pra ele esperar só mais uns 5 minutinhos, "a moça tá quase enfartando", disse ele, "não quero ser responsável por uma tragédia"... (não me lembro bem o que ela disse, mas foi mais ou menos isso).

Ainda consigo uma cadeira de escritório decente de novo. As de 1996 quebraram, porquê eram de um modelo inadequado pra gente: sem coluna atrás, com o encosto preso nos próprios braços...

PS: Alguém se lembra que nos anos 80, as eleições seriam hoje?! É verdade, me lembro da cidade tomada por panfletos de Orestes Quércia, Antônio Ermírio, Paulo Maluf, João Leiva... Bons tempos! Atualmente, as eleições são no primeiro domingo de outubro.

13 November 2007

ATENÇÃO, CARIOCAS! PARTICIPEM DA
CONVENÇÃO JOVEM AINDA
(Enfim um post CH! Yipee hoorray!!)
Eles já falaram isso, mas deixa eu falar daqui. A Convenção Jovem Ainda é um novo formato de eventos, com venda de ingressos antecipada! Então, se você é jovem aind... digo, se você está no Rio de Janeiro, participe, rapá! Maiores inphormações no Site do Chaves.

09 November 2007

PÁRA TUDO

Faleceu dia 9 de novembro de 2007 a dubladora Helena Samara - nome artístico de Lia Kalme - aos 74 anos, que até pouco antes disso, ainda dublava uma de suas personagens mais marcantes, Dona Clotilde de Chaves, a Bruxa do 71.
Nossas condolências aos parentes, amigos, e aos fãs de seu trabalho - o que não é difícil de encontrar, já que a personagem foi uma das poucas que nunca mudou de voz desde o começo das dublagens das séries CH. E quem nunca riu com as cantadas que a Dona Clotilde passava no Seu Madruga? "Drudrú!"
Ela escolheu seu nome artístico antes de começar no rádio, através do nome de uma loja de tecidos.
Antes da Bruxa do 71, outra personagem famosa que ela dublou, embora eu mesmo não consiga associar o nome à pessoa, foi Wilma, dos Flintstones.

Vamos ver quem vai passar a dublar a personagem no desenho animado do Chaves, a partir de agora.

04 November 2007

Ohaaaahhhhhaooouhhhhhh®
Era só o que phaltava... Os herdeiros de Edgar Rice Burroughs, escritor, estão tentando registrar nos direitos autorais o grito do Tarzan, na União Européia.

Não conseguiram apenas por não conseguir descrever exatamente como é o som, que ficou phamoso na voz de Johnny Weissmuller. Mas eles podem conseguir: a legislação permite que sejam anexadas amostras de áudio a esse tipo de processos. Seria algo como registrar uma música, por exemplo.
Caso venha a dar certo eles podem ficar milionários (e por muito tempo, já que o registro vai valer pelos próximos 80 anos, salvo se estiver enganado) e... eventuais sátiras sejam obrigadas a gritaire de outro jeito.

Isso me lembra uma piada do Casseta & Planeta, de um adolescente nerd (interpretado por Marcelo Madureira) que teria registrado o som do modem de conexão discada entrando na Internet e ficou milionário (o som seria do gato dele entrando no liquidificador... XD) , a ponto de ter a "canzión" gravada pelo hoje saudoso Luciano Pavarotti (e um tenor entrava e entoava algo como "IIIiiiiii óóóóóó rrrrrrr...")
Mas esse som não era exclusivo da Internet... Nos anos 80, o Videotexto (serviço da Telesp acessível por computadores como os MSX) ao ser conectado também fazia um som parecido.

Este post está horrível. O de baixo é bem mais interessante.

03 November 2007

Eres são ferizes, né? (E ESPERO ESTAR ENGANADO)
Depois do post anterior, (talvez um dos mais inúteis que eu já escrevi em todos os tempos), vamos com uma coisa ligeiramente mais útil... Uma conphissão. E que poderá gerar alguma discussão, afinal, "da discussão nasce a luz", já dizia a Pópis... ou seria o Nhonho? Talvez o Godines? Ah, sei lá...

Vocês devem notar que as vezes eu fill myself (me encho) de alguns problemas que afetam o nosso universo CH. Episódios perdidos (completamente perdidos, mais que o Menino Carlinhos!) , cortes e mais cortes, é o Chaves que não sai do SBT mas nem amarrado, continuando a sofrer mais que o Vagner Love, preso e rebitado no gélido banco do CSKA quando poderia estar ajudando os times daqui.
As vezes sinto um clima de "cada um por si, SBT e a Televisa contra todos". Fora o Bolaños, que quase octogenário, prefere visitar a Nicarágua ao Brasil. NICARÁGUA!!!

Pois é, quando quero esquecer que tudo isso existe, relaxar e pensar que poderia haver um mundo bem melhor, todo feito pra vocês, "é um mundo pequenino que a censura fez..." o que eu vejo então na Internet? Não só nisso, mas também no meu serviço, durante a insuportável espera do processo de autoração de DVDs. (rimou tudo, caramba!?)
Eu vejo a rotina dos fãs de produções japonesas, como quadrinhos, animação e seriados (os, às vezes pejorativamente, chamados "otakus"). Através de sites como o Cosplay Brasil, Nipo Heroes HP, OhaYO, etc. (fora o saudoso Fórum Henshin Digital).

Os fãs de animês e mangás frequentemente rejeitam o termo otaku, que descreve uma pessoa viciada, ou especialista em algum assunto (geralmente não muito útil á sua sobrevivência) a ponto de anular sua vida social e se transformar em um hikkokomori (pessoa adulta que não trabalha nem estuda, os também chamados NEET em inglês.)
Minto: há muitos fãs aqui no Brasil que aceitam esse termo. Mas por via das dúvidas, eu não chamaria um fã de cultura japonesa desconhecido de 'otaku' logo de cara.

Não sou lá muito fã de programas japoneses em tempo integral. Mas eles passaram pela minha vida. Me lembro vagamente de "Robô Gigante" passando na Record por volta de 1979 ou 1980, mais ou menos, é uma das minhas lembranças mais remotas de televisão.
Assiti pro forma algumas animações que passavam nos primeiros anos da Manchete, como Pirata do Espaço e Patrulha Estelar. Não me lembro de muita coisa do enredo, e os nomes eu só me lembraria depois, vendo na Internet - e aqui, mais uma menção honrosa ao JBox, que sem querer querendo, me ajudou nisso.
Assisti Jaspion, Changeman e Flashman como todo mundo (sacanagem, devia ter me concentrado mais no Metalder e no Maskman...) Chorei de raiva com o Robocop, que achava que era um tokusatsu americano. Não, não era - e o tempo provaria que eles não sabem fazer isso............
Animes, mesmo, já da adolescência pra frente, só dois e já no século XXI: Crayon Shin-Chan e Ranma 1/2, este bem ocasionalmente (sendo que o primeiro é um anime dos mais atípicos imagináveis.)
O resto é de vista. Aliás, vendo as fotos do Cosplay Brasil, só conheço uns 4 ou 5 personagens dos tantos que são "cospleiados" por lá: Inu Yasha (tem quatro orelhas, que nem o Zicky Zira), One Piece (chapeu de páia, sô, inconfundíver) e os 34521,564 personagens de Naruto - todos, invariavelmente, com bandanas de metal e "sandálias da humildade", embora morram de frio na região do pesoço... O resto, entre os personagens orientais, 'faço a menor idéia quem sejam... (seria interessante algum site fazer uma espécie de "álbum de figurinhas" desses personagens para orientação dos não-iniciados no assunto.)

そして私は自分自身に言う: なんとすばらしい世界か!
(And I say to myself, what a wonderful world...)
E gente, que mundo é esse... Se há brigas, são entre uns poucos (mais concentrado nos "cabeças", como veremos mais adiante). O resto está mais unido que o arroz consumido por aquelas bandas. Episódios cortados? Perdidos? Engavetados? Cadê?
(Por exemplo, é possível assistir a um episódio de Pokemón censurado nos EUA onde Jesse - um rapaz - vence um concurso de biquínis usando seios falsos infláveis... Não está na TV, mas está por aí, talvez no playlist da maioria dos vendedores. Esteve no YouTube, sei lá se ainda está, mas eu vi.)
Sempre tem alguém que vaza e hospeda, até mesmo em servidores próprios, que apareceram antes de nascer o Rapidshare!... E/0u traduz! Não importa se o original é japonês, so what??? そう何か。DVDs? Empresas os lançam à rodo, sem maiores problemas. E os fãs os conseguem de qualquer jeito [capisci? Mas vamos prestigiar a Imagem e a Amazonas Philmes pela coragem de encarar el desáfio dos boxes das séries CH e derivadas!]
Ah, e 51% deles são do sexo feminino! Aqui no nosso meio CH, a proporção é uns 0,5% superior a distribuição por sexo dos Ismârfs, e quando aparece alguém, é a "Chiquinha de Cueca" ou similares...

Uma das raríssimais coisas em comum entre os dois universos é o fascínio de muitos de nós pelo mundo da dublagem - mesmo cuspindo e escarrando no prato em que comemos (tsgrila, eu gostei do trabalho do Tatá Guarnieri, palavra!) e também do fato de que entre nós também há cosplayers. Inclusive, há quem vá de personagens CH aos eventos de animes/mangas/papayas. E esse pessoal não faz feio não!

O universo Chespiriteano tem uns 20 anos a menos que o universo dos animes, mas as vezes parece que nós ainda precisamos comer muito arroz com feijão. Aliás, motí e doce de feijão azuki. E por ora fica essa impressão, de que それらは幸せな物である。ou de que eles são felizes...

Espero, com todas as minhas forças, estar enganado. Espero ter plantado uma semente em cada um dos fãs CH que me lêem - parece papo de professora de maternal ou de agricultor, mas é isso.
Assim como fizeram Sérgio Peixoto e José Roberto Pereira, que em 1996 editaram a revista que é considerada a primeira do gênero no Brasil, a falar sobre mangás e animes. Naquela época, era um mercado marginal... A dupla se separaria (são desaphetos até hoje) e Peixoto passou a organizar os primeiros eventos do gênero no Brasil, a Animecon, só desbancada pela Anime Friends, do empresário Takashi Tikazawa, que começou em 2003 logo de cara trazendo o cantor Kageyama Hironobu. (Embora há controvérsias: muitos disseram que detestaram a segunda edição do AF, feita no Espaço das Américas, até gritavam Animecon, Animecon...)
Errata: o primeiro evento do gênero que se tem notícia no Brasil foi a Mangacon, em 1996, organizada pela Abrademi - aliás, uma entidade já criticada nas páginas da revista Animax! O evento ainda era restrito aos associados, mas no ano seguinte, passou a ser aberto ao público e seria considerado de porte "minúsculo" perto do menor dos eventos que existe hoje. Mas quem viu, diz que foi bom. Possivelmente os primeiros cosplayers de animes do Brasil foram vistos na Mangacon. Aliás, a REDE MANCHETE ainda existia nessa época... Bons tempos! E eu lá, me matando naquele cursinho desgraçado...

Resultado - apesar dos pesares? Hoje umas 3 empresas publicam mangás no Brasil (incluindo uma das maiores do mundo, a Panini) outras tantas lançam alguns animes em DVD - no Brasil, e no Exterior, well... atualmente é um pouco mais fácil do que há 10 anos. (o grande problema ainda está na área do tokusatsu, na qual as empresas ainda estão reticentes.)
Enfim, Peixoto e incialmente, Pereira, mais a ajuda ou atrapalhamento de Tikazawa, conseguiram - embora esta história tenha vários capítulos pra lá de obscuros. Podres, talvez.
Mas, putz, se "a minha história de sucesso" fosse três vezes pior do que isso eu já me dava por satisfeito, cháspita! É o que eu acho, por enquanto... Eu peguei o começo dessa história, e aquele horizonte que se vislumbrava é o que eu quero pra mim e para os fãs CH.

Eu li, em 1996, la revistilla deles, a Animax, quando tudo isso ainda era uma grande ilusão. Gostei, até escrevi uma carta pra eles, que acabei não enviando... Que cosas, no?... A carta era bastante interessante, mostrava os meus personagens, inclusive, embora estes só lembrem muito vagamente o estilo oriental, ou nem isso (eles tem proporções um tanto diferentes do convencional, inspirados em gráficos de games da Capcom e animes como Saber Marionette X.)
Enfim, a revista, feita pela dupla, era boa, embora eu discordasse violentamente de algumas coisas. Aliás, como é até hoje.
Graças a Deus que não mandei aquela carta. A resposta de J.R. "Pedreira" poderia ter me desestimulado para sempre.

E alguns anos después, eles - os fãs de anime, mangá e tokusatsu - estão aí, e são milhões - nem que sejam 2 milhões, mas já é um mundaréu de gente que não cabe no Maraca! E são fortes!! Digamos que conseguiriam dar uma balançada legal no SBT, coisa que até agora, não conseguimos. Alô Ministério das Comunicações, como é que é?...

Por isso, as minhas palmas pra vocês, fãs da cultura japonesa.
Vosso universo - sem JRP, nem ETT and outros phiguras - me inspira. (Eu disse inspira - se fosse inveja eu faria animes para os sites de vídeo, não o que estou fazendo agora, um típico desenho animado ocidental!) Quem sabe algum dia, os fãs de Chaves e Chapolin cheguem ao nível que vocês chegaram. E nós, fãs CH, "juntos chegaremos lá".

(PS: Curiosamente, ao pesquisaire por aí, descubro que nós, fãs CH, também temos alguns capítulos obscuros... O site Turma do Chaves, que não tem links, tem um fórum fechado a cadeado e se tornou desafeto dos integrantes do Fórum Único Chespirito, está há algum tempo associado à Anime Center Eventos... Acabei achando a "versão CH" de uns elementos supracitados, mas deixa pra lá...) Cover, a gente se vê por aqui.

26 October 2007

Ah, esses idiomas...
Não sei como a garotada de hoje aprende inglês, se é fácil, se é difícil... Eu penava pra caramba, mesmo com a gramática do inglês sendo mais simples do que a do português (a bem da verdade, o inglês é um dos idiomas com mais diferenças entre escrita e fala que existem...)

Mas inglês é fichinha. E aqui vão, depois de uma tarde modorrenta, maçante e massacration, algumas curiosités sobre idiomas que ninguém sabia, graças a la vida, graças al amor, graças a la Wikipedia:

A incrível história da bomba que matou um idioma
A língua dalmática era um idioma derivado do latim, falado onde atualmente é a Croácia (não confundir com um dialeto croata atual). Seu último falante conhecido foi Tuone Udaina, um sacristão que, no final do século 19 foi entrevistado pelo linguista italiano Matteo Bartoli - entrevistado mesmo, parece que ele gravou a baghassa, já havia tecnologia para isso em 1898.
Tuone vivia na ilha de Veglia (atual ilha de Krk) meio que isolado da sociedade. Nunca saiu de lá. Na verdade, o dálmatico não era sua língua materna, era o vêneto, e comunicava-se em alemão e italiano com a galera, e por causa de seu serviço eclesiástico, também em latim. E aprendeu o idioma que seus pais falavam em casa, quando criança. Era o dalmático velhoto - da ilha de Veglia. A outra vertente do idioma, o dalmático ragusano (língua oficial da república de Ragusa, às margens do Mar Adriático), já desaparecera no século 16, antes mesmo da extinção do país em 1808, quando Ragusa foi invadida por Napoleão. E naquela ilha, acreditem, havia mais de 20 anos que Tuone não falava com ninguém nesse idioma! Todos já haviam falecido... até que chegou Bartoli.
Não consegui pesquisar a respeito do que exatamente eles conversaram, mas alí foram feitos os poucos registros do que seria esse idioma, mesmo que Tuone não lembrasse muito bem e estivesse com a "bicção prebudicada", in a Tiririca basis.
Ok, e a bomba? É que em 10 de junho de 1898, uma mina terrestre de fabricação otomana, esquecida no solo da ilha, acabaria por exterminar Tuone, aos 77 anos. Phalecia não só um idoso solitário, mas também o idioma que ele herdara de seus pais sem que ele e seus falecidos conterrâneos da ilha de Veglia não o pudessem ter ensinado a ninguém... Essa já deve ter passado no "Acredite se quiser", não é possível!
(PS: É provável que este seja o artigo mais completo sobre esse inóspito tema em língua portuguesa na Internet, mas eu sugeriria ao amigo pesquisar ainda um pouco mais sobre esse idioma que é o terror de Cruela de Vill.)

- Mas incrivelmente tem mais um caso de idioma a "phalecer" junto com seu último falante: o roncalês, parente do basco, falado no Vale do Roncal, na Espanha, era o idioma nativo de Antonia Anaut, que phaleceu em 1976. Em 1970 ela foi entrevistada por Koldo Artola, onde também foram feitos registros - aqui, com certeza, também sonoros. Mas ela vivia bem: apesar de surda, sabia o "desgraciado" do Español, e era assim que se viraba com sua família. E aqui não teve mina terrestre, não. Eu sei que você já deve estar, inspirado por esse idioma, roncando, e calma que é só el comiezo...

- Um perigo semelhante ronda o Romanche (ou Romance) na Suíça. O idioma também veio do latim e é falado por menos de 1% dos suíços, e ainda assim, com muitas variações entre uma localidade e outra. Seria, grosso modo, como se em cada bairro de São Paulo ou Rio se falasse um idioma com mais de 50% de diferença um do outro!

- Inglês é um treco estranho, rapeize. A letra menos utlizada é Q (daí o Q ficar no extremo superior direito do teclado) e três nomes de cores (purple, silver e orange) são palavras que não tem rima.
Ah, o teclado QWERTY pode ser considerado um instrumento de dominação cultural: ele surgiu nas máquinas de escrever, misturando o alfabeto para que as teclas vizinhas tivessem a menor chance possível de precisarem ser acionadas uma após a outra, considerando a língua inglesa, como base pra isso, evitando que os dedos entrassem entre as teclas da máquina! Eu já senti essa sensação, não é muito agradável... Experimente digitar "abcdefghijkl..." e veja como as letras estão relativamente distantes umas das outras. O padrão das máquinas de escrever foi estendido a todos os instrumentos similares que surgiram depois como... os computadores, claro! (Embora hajam os teclados Dvórak e os teclados ABCDEF - como os das primeiras máquinas - em alguns aparelhos específicos. Existe também o projeto de um "teclado brasileiro", que faz essa mistura, mas baseado na língua portuguesa.)

- Foi o idioma espanhol que introduziu o uso de Ç e SS, embora esses caracteres deixassem de fazer parte do idioma depois. Acabaram indo parar em idiomas como português e galego.

- Em havaiano só existem 162 combinações possíveis de sílabas. O alfabeto havaiano tem apenas 12 letras e um símbolo (apóstrofe curva à direita, símbolo de vogal prolongada). Mas há um outro idioma, o dos Rotokas em Bougainville, Papua Nova Guiné, no qual esse símbolo não existe, e esse, portanto, é considerado o menor do mundo.

- Cassúbio não é nenhum jogador de futebol com ficha no site do Milton Neves, seria um dialeto da Polônia, parcialmente incompreensível aos poloneses. O polonês, por sua vez, já é um dos idiomas mais difíceis do mundo...

- Além do catalão e do basco (não confundir com o time treinado por Romário) a Espanha ainda fala o galego, na região da Galícia. Esse é talvez o idioma mais próximo do português que exista, e é descendente direto do galego-português, aquele que os vestibulandos conhecem das primeiras aulas de literatura. Pesquise na Internet por sites nesse idioma e provavelmente você vai entender mais de 90% do que eles escrevem.

- Em compensação, em uma determinada área de Portugal, se fala o mirandês, já parcialmente incompreensível para mim... O governo da área luta para a não extinção do idioma. (Não, a frase "um tico-tico cá, um tico-tico lá" é em português mesmo!)

- Dialetos de certas regiões do Japão, como Tsushima e Ilhas Ryukyu são incompreensíveis para moradores de Tóquio, por exemplo! E no caso das ilhas Ryukyu, até mesmo entre uma e outra ilha! Vá ser hermético assim na Tupperware, seu!... Mas há uma explicação: o relevo montanhoso do Japão favorecia esse isolamento entre as comunidades. Favorecia: mais do que qualquer outro país, o Japão moderno está interligado pela TV e pela Internet, fora os demais meios de comunicação, fazendo cada vez mais com que seus habitantes passem a falar a mesma língua.

E acredite: o mundo continua a insistir
nas línguas universais que não sejam o inglês!

Existe um idioma universal, o Kotava, que é falado por... 40 pessoas. Alguns milhares a mais falam Ido e Interlíngua. Muito mais gente fala Slovio, Volapuk e Esperanto. Em compensação, o Volkspraak está em fase de criação - embora, de todos os idiomas universais mostrados na Wikipedia, este foi o que eu menos entendi (usa uma tonelada e meia de sinais diacríticos!) E ainda tem o Fasile (cujos falantes se concentram no... Brasil) e o Dousha, inciativas ultra-recentes (o último é de 2002 e foi criado por Almir U. Júnior, brasileiro) O Dousha tem a preocupação de não parecer "ocidental demais" para os orientais.

- Uma língua artificial criada com objetivos opostos à turma acima (não unir as nações, mas separá-las) também tem seus falantes: o Klingon. Aquele, da série Star Trek, cujos episódios não são cancelados nem redublados, nem viram desenho animado sem a Uhura... XD

- E finalizando com uma Curiosidade Suprema: A Wikipédia serve até mesmo pra você aprender a falar em... caipira! Why, so?!

Moral da história: Na torre de Babel, usaram um liquidificador Blendtec pra misturar os idiomas. "It's language powder, don't breath this!"

19 October 2007

Silêncio! Meus discos de vinil estão detectando uma notícia!
Para tirar a poeira deste blog e evitar o sepultamento de postagens importantes no ICBIT's, vamos com uma notícia! O Ministério da Cultura, por inciativa própria, quer colocar uma fábrica, a Polysom, do Rio de Janeiro, na Lei Rouanet, sendo tombada como patrimônio cultural imaterial (que nem o samba e o acarajé, se não me engano.)
E por quê? É que a Polysom é a única fábrica de discos de vinil em atividade do Brasil. Sabe, daqueles pretos, que você ouvia na sua tenra infância, ou seu pai ouvia em sua adolescência... É, tinha uns coloridos também no meio, mas era basicamente isso.
A Polysom foi criada em um incrível 1999 (em 1996 os LPs deixaram de ser fabricados pelas grandes gravadoras), e já foi notícia no Jornal Nacional porquê eles estavam fazendo copinhos de plástico para sobreviver. Isso em 99. Atualmente, a fábrica tem míseros TRÊS funcionários (só a Salt Cover tem menos recursos humanos), que operam maquinário herdado de gravadoras que migraram para o CD. A Polysom tem um arremedo de site oficial, que está dando Index Directory...

Por outro lado, a Le Son (aquela dos microfones das igrejas e bandas iniciantes...) é a única fabricante de agulhas de toca-discos no Brasil em atividade. A situação financeira da Le Son é bem melhor porquê eles faturam muito mais com microfones e alto-falantes.

Ainda bem, porquê até hoje me lembro com pesar do dia em que eu tentei fazer "scratch" em um LP e inutilizei a agulha. Nem dava direito também porquê o toca-discos tinha suspensão, não era "duro" como os dos DJs... Vasos da dinastia Ming, por favor, afastem-se de mim!...

Terminando com uma Curiosidade Suprema *buééééim*:A empresa japonesa ELP fabrica, por um preço um tanto salgado (11 mil dólares) um toca-discos de vinil sem agulha, à laser, que consegue até mesmo trocar de faixa só digitando números no painel e, embora não consiga reproduzir discos com cores diferentes de preto, consegue reproduzir discos "zoados" que as agulhas convencionais não conseguiriam. Se alguém que nos lê tem MUITOS LPs e gosta MUITO deles, tá aí uma dica que vai fazer a pena você vender o carro.

09 October 2007

A VIDA IMITA A ARTE...
A Bruxa do 71 (e a Loca de la Escalera, no remake do episódio) diziam que pintavam os cabelos. De grisalho, porquê estava na moda... Eu, hein?
32 anos depois: Camilla Parker-Bowles (a eterna paixão do Príncipe Charles) tinge os cabelos de... branco! E não é como a Cindy Lauper e a Ester Grossi, que metem outras cores do arco-íris depois, não!

Será que poderia ter uma cena assim nos programas clássicos del Big Chespa?...
[Florinda] - Você viu o que você fez?
[Ramón] - Não vi nnnada.
[Florinda] - Mas um dia todos hão de ver. (vira-se para a câmera) Todos os dias, na íntegra, e sem cortes... Para todo o país!
[Ramón] - Ora, cale-se!
[sobe fundo: "Pai, afasta de mim este cálice, pai... Afasta de mim este cálice, pai..."]
[Vilagrán] - Vocês me deixam loooou-co!!

Sonhar... É de grátis.

24 August 2007

T! CULINÁRIA
The Garbage Frang

O pessoal aqui em casa comprou um filé de frango da Sadia. Meu, que coisa mais horrível. Parecia um novelo de lã com sabor, ou o frango tinha distrofia muscular progressiva. O que nos remete ao provérbio do Barão de Itararé: quando pobre come frango, um dos dois está doente.
O pior é isso ser de marca. Já comi tanta coisa horrenda (claro, entre as iguarias paulistanas, em outros estados, capitularei) que era muito melhor do que isso aí: coxinhas de procedência duvidosa, daquelas que no Pânico na TV iria tocar a marcha fúnebre.  Coisas do nível daquela salsicha que Cosmo Kramer comeu em um cinema abandonado e dizia: "Textura interessante..." É Sadia, é çaldável. Com gordura trans e tudo.

Curiositê: Você sabia que o mascote da Sadia se chama Lequetreque? Eu também não... E olha que ele fala, ao contrário da Galinha Azul.

DESSERVIÇO>> http://www.sadia.com.br

08 August 2007

SEU MADRUGA HAS THE POWER!! E só não te dou outra porquê...
Quem acessa o site Charges.com.br sabe que recentemente foi instituída uma seção dos Internautas Infames. Pessoas que mostram fotos nas quais passam situações patéticas, patodônicas, minimáusicas, etc.
Pois bem. Uma das mais recentes contribuições, publicada ONTEM, já abiscoitou o PRIMEIRO LUGAR no Ranking dos Mais Infames! O baiano Eliezer B. da Silva Júnior aparece vestido de Seu Madruga, em um cosplay involuntário, e, digamos assim, muito acima da média. Não tem número de votos, mas uma média entre notas de 1 a 5, e ele tirou 4,53469. É a phorça del Madrugón!!

28 July 2007

UM MONTE DE HQs ONDE MENOS SE IMAGINA...
Excepcionalmente neste espaço, uma dica da hora pra você que não tem ABSOLUTAMENTE nada pra fazer, porque já decorou de trás pra frente os diálogos dos episódios cancelados e já sabe de cor os créditos de Chaves e Chapolin separando por ano de produção. Ou se empanturrou de sanduíches de presunto...
Leia histórias da Turma da Mônica. Sabe aonde? No saite ophisial deles, vá na seção Quadrinhos, entre em Histórias Seriadas e escolha à valer! Algumas são saídas de revistas já publicadas (achei umas de 1990, por aí), outras são exclusivas, fora as dos Gibizões, que tinham histórias satíricas, pra quem não pôde conferir todas elas. Mas tipo assim é UMA PÁ de HQs que, se impressas (mais essa, o site nem restringe "Save Image As"! Maurício, você é proibido para diabéticos!!!), daria pra fazer um almanaque padrão Disney (sabe, aquele com 250 páginas?...) É por isso que eu não ouço falar de sites "Scans Turma da Mônica"!
Inclusive, o único blog que eu conheci a respeito simplesmente republicava material do www.monica.com.br e até cansou, o blog não é mais atualizado.

Embora algumas HQs merecessem scans. Há histórias que não são republicadas jamé por um singelo motivo: são politicamente incorretas até o talo e não se adeqüam mais à época atual. E não estamos falando de Nico Demo, o cruzamento de Shin Chan com Bart Simpson!
No fan site Revista da Mônica - equivalente ao "Site do Chaves" no Mauriverse - veja os resumos das primeiras edições, na Abril, das revistas Mônica e Cebolinha pra ver cada coisa cabulosa que o Maurício fazia... Entre outras coisas, Cebolinha e Mônica mexendo em fogão sem adultos por perto, sumiço de personagens, como um irmão mais novo de Cebolinha que nem chegou a ter nome, e até mesmo morte de personagens - Chico Bento já teve uma irmã, Mariana, em plenos anos 90, que morreu pouco depois do parto!!! Além disso tem as capas de praticamente todas as revistas della Ciurma, mais algumas coisas.
Por isso que eu falo, quem lê essas coisas, não fique com vergonha não, você está no mesmo nível dos leitores de mangá e daquelas HQs européias. Fique somente com vergonha se você assiste os Teletâbis !! Aliás, Maurício de Sousa sempre teve bastante contato com esses autores (Mort Walker, Will Eisner, Dik Browne, Osamu Tezuka, etc...)!! É muele?! Fora o Álvaro de Moya, que já trabalhou com Walt Disney - não com "A", com "O"!
Só o chato é que só dá Maurício há quase 40 anos e ninguém consegue chegar perto da TdM. A Disney tenta-inventa-faça-um-91-diferenta, o Senninha é por causa do prestígio internacional do saudoso piloto, e os Simpsons tentaram duas vezes e desistiram!... Ê, limonada!

20 July 2007

"That's a questão pessoal, folks!"
Desculpa, gente, mas não é assim que se faz.

O blog Tiragostos é mais um dos inúmeros blogs que publicam tiras (não se trata de policiais, mas sim aquelas HQs de extensão limitada.) No qual até vinha se dando bem: ao contrário de outros blogs que não quero mencionar aqui, cujo "humor" resume-se a xingar tudo e todos, como se isso fosse necessáriamente engraçado, esse tinha humor sim, e publicável! Mesmo abordando assuntos pesados, como na tira "Aderbal, o maníaco sexual". O que me fez incluir o TG na seção de links do meu blog principal (ICBIT's/TV Salt Cover). Tá certo, estar lá não é grande coisa, mas é que eles eram o único blog do gênero naquela lista.

Isso até um certo dia em que os dois trocaram todas as piadas e personagens por uma série de tiras em preto e branco (adotado, até então, por só um dos desenhistas), imitando a série Angeli em Crise. Abrindo mão, inclusive do humor. Resultado: os comentários, que antes eram zerados, pularam para a casa dos 3 ou 4.

Deixei um comentário irado e assinado por lá. Talvez tenha sido o único que não gostou dessa história. Já basta o próprio Arnaldo Angeli Filho, seguido pelo pioneiro na linha do contra-humor, Laerte Coutinho. Assim como certos aviões da TAM, estava no rumo correto, mas de repente, virou o manche e... Tirou o gosto!

É, infelizmente, continuo sozinho nesse oceano ingrato que são as HKs, HJs, HVs, sei lá o que é isso que anda tomando o lugar das HQs.

27 June 2007

Como vocês estão notando, o site está meio que, digamos assim, um pouco parado. Eu disse um pouco? COMPLETAMENTE parado, só não te dou outra por quê...
Mas por quê, hein?
Eu disse isso em outros blogs mas não neste, então é o seguinte, eu precisei reinstalar o Oíndols XP porquê alguns programas (um de efeitos visuais e um de gravação multipista de áudio) pararam de funcionar por motivos totalmente desconhecidos, eles simplesmente davam uma mensagem de erro ao iniciar, e uma mensagem um tanto antipática ("Sorry, this program has crashed"). E não adiantava reinstalar esses programas, nem mesmo suas versões subsequentes!

Felizmente o computador tem dois HDs, e todo o site Tinha que ser o Chaves estava no outro, portanto, nada se perdeu. Só tive maiores dificuldades de encontrar e reinstalar todos os softwares necessários para editar e gerenciar os sites. Pelo qual eu peço desculpas ao pessoal do Evento Chaves 3, se eu tivesse condições de editar o Tinha que ser o Chaves antes eu faria mais divulgação desse evento - aparentemente, o site ainda é muito visitado. Preciso colocar um contador por lá.

22 June 2007

A quem foi no evento Chaves 3 e Seu Madruga, o nosso muito obrigado!

18 June 2007

Bem, amigos da BKS
Acabo de corrigir uma rata (não, não se trata de Minnie Mouse) em Tinha que ser o Chaves. Na seção sobre a dublagem da série, um parágrafo chega a dizer que o phalecido César Leitão (Edgar Vivar em "Clube do Chaves") foi quem dublou Chespirito na versão da CNT. Na verdade, o dublador foi Sérgio Galvão. Pra mim, foi bem razoável, só derrapou feio na curva ao dublar o Chaves, no qual 99% dos fandubbers brasileiros, incluindo gagos e phanhos, dariam um banho. E não de baldes.

Dica "Eu Podia Passar Sem Essa" da Vez
Para vocês que apreciam trocadilhos inphames, o blog Nadaver nada de braçada nesse estilo tão injustiçado de humor. Só tomem cuidado com as HQs do cara, cujo 'humor' se resume a pura contestação da moral and bons costumbres. De resto...

30 May 2007

A RCTV - Radio Caracas Television foi fechada pelo governo Hugo Chávez, e foi substituída no dial pela Teves (não confunda, aqui estamos na Venezuela, norte da América do Sul), mais um "selo" da televisão do governo. A emissora é acusada de tentar um golpe de estado para tirar HC do governo. Essa parte eu nunca sei se é exagero dos esquerdistas daqui ou se foi verdade mesmo, tipo a influência da Globo em favor de Collor em 1989. Também, isso que dá não assistir televisão em outros países da América Latina...

Nos anos 80, essa emissora foi quem produziu alguns dos seriados de Carlos Villagrán que foram exibidos pela Band, como "Kiko Botones", "Kiko, el Niño de Papel", etc. As séries são comercializadas pela empresa Coral International, que pertence à agora phinada RCTV.

10 May 2007

Quem diria, eu, em pleno 2007 comprando CDs? Isso pode acontecer, graças a crítica que fizeram aos novos-velhos lançamentos de Jorge Benjor, que são sobras de gravação de seus discos na Som Livre, segundo eles, repletos de timbres dos anos 80...
Cacetada, timbres dos anos 80??? Daqueles bons tempos?? De cassetes, que não tinham DRM? De quando MTV era apenas uma distante emissora de TV nos EUA, e uma sigla cantada pelo Dire Straits? Comprei!! Ademã!!

(PS: Apesar de ninguém ver a coluna lateral, peço desculpas pela colocação indevida de um link que violou as regras da Rede Igor C. Barros, i.e., me irritou profundamente o seu conteúdo. Calma que não é nada do meio CH, é outra coisa, algo que eu pensei que era interessante e não era. Desculpem-me, e obrigado.)

09 May 2007

Será que as crianças do futuro farão seus próprios brinquedos?...
"Aê, me printa aquele .3ds do Comandos En Acción que eu baixei do site, valeu?"


A Desktop Factory acaba de lançar sua nova impressora 3D. Pra quem não sabe, isso já existe, só que é caro pra caramba e tem seu uso restrito à grandes empresas (não confunda com fresa computadorizada, isso esculpe madeira, resina ou aço e é um pouco mais barato.) Esse tipo de impressoras "imprime" ou em uma resina que endurece pelo contato com raio laser, ou o mais comum, um pó de celulose que, misturado a gotículas de cola disparadas pelo equipamento, vira uma espécie de "papel" sólido.

A diferença da impressora Desktop Factory é seu tamanho (20x20 polegadas) e seu custo, cerca de 5 mil dólares. Um custo que, segundo a IDG Brasil, poderá despencar nos próximos anos e tornar essa impressora acessível a pessoas phísicas!!! E outra coisa, essa impressora usa pó de plástico, que cria peças até que relativamente resistentes, comparadas as de resina e "papel". Essas peças podem ser lixadas e pintadas como se fossem de qualquer outro material.
O objeto é impresso da mesma forma que a impressora de "papel", em finas camadas, e o objeto acaba surgindo em meio a um monte de pó - no caso, a "tinta" dessa impressora. (A propósito: a impressora Desktop Factory não imprime cores, já a de "papel", que vi no Discovery Channel, sim.)
Como o tamanho máximo é circunscrito a 5x5x5 polegadas, brinquedos (rígidos, no caso) podem ser feitos facilmente a partir de arquivos de objetos tridimensionais! Digo "podem", porquê isso já está à venda nos EUA por um preço (5000 dólares) bem acessível a instituições como faculdades particulares, por exemplo. Já imaginou as coisas que podem sair das telas dos computadores para a vida real?... E outra coisa: nada impede o usuário de montar objetos ainda maiores, dividindo eles em partes de 5 polegadas!
Com isso, só continuará sendo prerrogativa da indústria fazer brinquedos flexíveis - isso, essas impressoras ainda não fazem.